A coleção “Penguin Classics” chega a Portugal com inédito de Lima Barreto

A coleção “Penguin Classics” estreia-se, em Portugal, no dia 24 de agosto, com sete títulos. Nesta estreia está incluída e primeira edição portuguesa da obra de Lima Barreto, “Triste Fim de Policarpo Quaresma”.

Publicado em Categorizado como Novidades Etiquetas: , , , , , , , ,
Créditos: DR

Com a comemoração dos 75 anos da coleção no Reino Unido, chegam a Portugal os primeiros sete títulos, que integrarão na coleção portuguesa. Esta coleção irá juntar tanto autores portugueses como estrangeiros de vários géneros literários.

O leitor poderá contar com traduções de excelência, edições cuidadas e ainda prefácios escritos por especialistas. De acordo com o comunicado da editora editorial da Penguin Random House em Portugal, Clara Capitão, “estes livros pretendem fazer chegar aos leitores de hoje o amplo espectro de vozes que marcam o pensamento de gerações, que influenciaram e mudaram a estética vigente, que produziram conhecimento, que instigaram a reflexão e o pensamento crítico e que fomentaram o maravilhoso pela vida em todas as suas dimensões”.

O grande objetivo destas publicações é “democratizar a leitura e o acesso às incontestáveis obras universais, derrubando a ideia de que os grandes livros estão reservados a uma elite intelectual”.

Entre os primeiros setes livros a serem editados em Portugal, encontra-se “Triste Fim de Policarpo Quaresma“, do escritor brasileiro Lima Barreto (1881-1922), que inclui uma introdução de Lilia Schwarcs e um prefácio escrito por Clara Rowland. Segue-se “Um Quarto Só Seu“, de Virginia Woolf, com prefácio de Ana Luísa Amaral; “A Quinta dos Animais“, de George Orwell; “Os Maias“, de Eça de Queirós, prefaciado por Carlos Reis; “A Metamorfose“, de Franz Kafka, com prefácio escrito por Gonçalo Vilas-Boas; segue-se “O Livro de Cesário Verde e Outros Poemas“, de Cesário Verde, com prefácio de Paula Mourão; e, por fim, “Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens“, de Jean-Jacques Rousseau, com um prefácio da autoria de Francisco Louçã.

Publicado em
Categorizado como Novidades