Do original à impressão. Como é criado um livro

A escrita

Um livro começa a ganhar forma quando o seu autor, ou editora, têm uma ideia. Após o processo criativo da escrita, o livro deverá ser enviado para a editora e, após um criterioso processo de seleção e análise do manuscrito, o futuro livro começa a ser trabalhado pelo editor.

O processo de edição do texto

Após a receção do manuscrito, o editor lê e analisa o texto. Caso decida publicá-lo, o editor atribui o projeto a um coordenador editorial. Este coordenador editorial é responsável por articular o projeto com os diversos profissionais, necessários à realização do projeto: o designer, o revisor, o paginador e, após o processo de criação do livro, a distribuidora.

Começando pelo designer, este profissional deverá elaborar um estudo gráfico do livro. Segue-se o revisor, responsável por garantir que o livro não terá erros ortográficos nem gramaticais, sendo que todas as alterações por si realizadas no texto deverão ser aprovadas tanto pelo coordenador editorial como pelo próprio autor do texto. Já ao paginador cabe a tarefa de tratar da paginação, juntando todos os elementos do texto (podendo incluir-se fotografias e ilustrações, por exemplo) e assim construir o livro página a página. Poderá ser também necessário trabalhar com fotógrafos, ilustradores e até desenhadores, dependendo do tipo de livro que a editora se propôs a publicar.

Após este processo, é impressa uma prova, isto é, uma simulação do livro, para que seja analisada pelo autor, em conjunto com o editor, o revisor de texto e o coordenador editorial do projeto em questão. Com esta observação de como ficaria o livro impresso, são feitas as últimas alterações e correções necessárias para que o livro esteja apto a ser impresso para chegar ao leitor. Com os últimos detalhes inseridos no ficheiro, este é enviado para a gráfica, onde será impresso.

O processo de produção do livro

O primeiro passo consiste em passar os conteúdos do ficheiro, enviado para a gráfica, para chapas de alumínio especiais com a ajuda de um laser. A este processo chama-se exposição, contudo, não fica por aqui. Segue-se a revelação, ou seja, o tratamento das chapas com produtos químicos. Se a impressão for feita a cores, terá de ser tratada uma chapa para cada cor e estamos perante o processo de quadricromia: preparam-se quatro chapas para as cores ciano (C), magenta (M), amarelo (Y) e preto (K), e com a sua sobreposição consegue-se obter centenas de tonalidades diferentes.

Segue-se a impressão, que consiste na passagem das chapas reveladas e da tinta para a máquina de impressão. Este processo é feto em modo offset: sendo a tinta distribuída por cada chapa, esta adere às zonas com texto e imagens. As zonas de tinta são transferidas para um cilindro de borracha que por sua vez faz o mesmo para o papel, funcionando como um carimbo.

A terceira parte deste processo diz respeito à encadernação: depois de as folhas serem impressas dos dois lados, estas são dobradas para que as páginas fiquem organizadas em conjuntos de cadernos. Os cadernos, depois de organizados, darão origem ao livro propriamente dito, chamando-se a este processo de alceamento; porém, devem ser cosidos numa máquina de costura.

As capas dos livros são sempre impressas à parte, mas o processo é muito semelhante. Ao serem unidas aos livros, estamos perante o processo de brochura, que é feito por uma máquina que aplica a cola na lombada do livro.

Por fim, chegamos ao processo do corte: por meio de uma guilhotina, os livros são aparados em três lados para que fiquem com o formato e tamanho que ficou definido no processo anterior, o de edição.

A partir daqui, o livro está pronto para seguir para a distribuição e assim chegar a milhares de leitores.

Por Catarina Duarte Alves

Licenciada em Línguas, Literaturas e Culturas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Catarina Alves é uma apaixonada por livros e, atualmente, trabalha como livreira numa cadeia nacional.