Ginger Box. A marca que quer vestir os clientes com roupas sustentáveis

Conheça a marca sustentável que quer levar peças personalizadas aos portugueses.

Publicado em Categorizado como Novidades Etiquetas: , , , , ,
Créditos: The Ginger Box

A The Ginger Box nasceu pela mão de Deise Santos, que sempre teve o sonho de criar uma página com as peças que já costurava e criava sozinha. Mas de uma simples página no Instagram, surgiu um negócio mais sólido que começa agora a conquistar cada vez mais clientes.

O objetivo é levar peças únicas e de edição limitada aos portugueses e, caso assim o desejem, encomendem as peças sob medida. Aqui quem manda é o cliente, desde que respeite os princípios da marca, que se enquadra num conceito sustentável e que utiliza tecidos adquiridos em fornecedores portugueses.

“Criei a The Ginger box durante a quarentena com o propósito de tentar rentabilizar o meu tempo com aquilo que mais gosto. Desde pequena que amo roupa e costura e já há alguns anos que os meus amigos e familiares me diziam para criar uma pagina, mas fui sempre deixando essa ideia de lado”, começou por contar Deise à Subscrito.

A responsável pela marca acrescentou que, durante a quarentena, foi a altura certa para iniciar o projeto. “Apesar de hesitar durante algumas semanas, por não ter nem fotografias nem aptidão para as redes sociais, acabei por arriscar. Agora, a página já tem alguns seguidores e embora os clientes ainda não sejam muitos, o feedback tem sido ótimo e têm surgido vários projectos adoráveis que me dão força para continuar”, frisou.

“Espero que um dia a The Ginger Box cresça e que consiga chegar a muitas mais pessoas e que as minhas peças possam evoluir. Estou feliz com o pequeno sucesso que tenho conseguido”, afirmou Deise, acrescentando que se esforça todos os dias para reduzir a pegada ambiental.

A designer de moda evita o uso de plástico nas suas criações e os tecidos que adquire tem de ter a certeza que são de fornecedores do nosso País. Deise não nos adiantou preços de roupas ou acessórios, pois a ideia é que o cliente a desafie e possam chegar à peça desejada de forma criativa.

Veja aqui algumas peças.

 

Por Rúben Henriques

Licenciado em Artes e Humanidades pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Rúben Henriques tem também uma pós-graduação em Jornalismo Multiplataforma pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Já trabalhou em alguns órgãos de comunicação social e, atualmente, é livreiro numa grande cadeia nacional.