Tudo o que sabemos sobre o Prémio Nobel da Literatura

Créditos: DR

Alfred Nobel estabeleceu cinco prémios por sua vontade, em testamento, em 1895. O Nobel da Literatura é um desses cinco prémios, sendo atribuído ao autor de qualquer país que produzir “no campo da literatura o trabalho mais notável numa direção ideal”, tal como deixou escrito Alfred Nobel. O prémio não é baseado apenas num só livro de determinado autor, mas sim no conjunto da sua obra literária.

Sabe-se que Alfred Nobel deixou escrito em testamento que pretendia doar o equivalente a 176 milhões de euros para que estes cinco prémios fossem estabelecidos. De acordo com o sueco, os prémios seriam atribuídos àqueles que conferissem “o maior benefício para a humanidade” nas seguintes áreas: física, química, paz, fisiologia ou medicina e literatura. É assim criada a Fundação Nobel, por Ragnar Sohlman e Rudolf Lilljequist.

Os Candidatos

Todos os anos são enviados, pela Academia Sueca, pedidos de indicações de candidatos ao Prémio Nobel da Literatura. Estes pedidos são feitos a membros da própria Academia, membros de outras academias de literatura, professores de literatura e línguas, ex-laureados do próprio prémio e presidentes de associações literárias, que nomeiam candidatos ao prémio.

Até dia 1 de fevereiro de cada ano, a Academia Sueca deverá receber as propostas de candidatos para em abril esta lista ser restringida a apenas 20. Em maio, uma lista de apenas cinco nomes é aprovada.

Nos meses que se seguem, as obras destes cinco candidatos, quer sejam trabalhos ou artigos quer sejam livros e outros escritos, são relidos e revistos. No mês de outubro, todos os membros da Academia Sueca votam e o candidato que receber mais de metade dos votos é o vencedor do Prémio Nobel da Literatura.

Até ao ano de 2018, o comité de jurados era composto por 18 membros, eleitos por um mandato vitalício. Porém, o Rei Carlos XVI Gustavo da Suécia alterou as regras, sendo agora possível a renúncia dos membros.

O Prémio

O grande vencedor ganha uma medalha de ouro, um diploma, que inclui uma citação, e uma quantia numerária.

As medalhas são cunhadas pela Myntverket na Suécia e na Casa da Moeda da Noruega, desde 1902. Cada medalha contém a representação de Alfred Nobel, bem como a data do seu nascimento e da sua morte (1833-1896). Contudo, a medalha atribuída ao Prémio Nobel da Literatura teve a contribuição de Erik Lindberg no que diz respeito ao design.

Enquanto o diploma é entregue diretamente pelo rei da Suécia, por tradição, a quantia monetária que cada vencedor recebe é varável, dependendo da renda da Fundação Nobel desse ano.

Cada laureado é ainda convidado a dar uma palestra durante a “Semana do Nobel”, em Estocolmo, onde poderá falar sobre o seu trabalho e o conjunto da sua obra. O vencedor é apresentado assim a 10 de dezembro, aniversário da morte de Nobel.

Curiosidades

Desde 1901 foram atribuídos um total de 113 prémios a 117 laureados, seis deles pertencendo à Academia Sueca. Apenas em sete anos o prémio não foi atribuído: 1914, 1918, 1935, 1940 a 1943.

Houve quatro anos em que o prémio foi atribuído a dois autores: em 1904 a Frèdèric Mistral e José Echegaray; em 1917 a Karl Adolph Gjellerup e Henrik Pontoppidan; no ano de 1966 a Shmuel Yosef Agnon e Nelly Sachs; e por fim em 1974 a Eyvind Johnson e Harry Martinson.

Um total de 16 mulheres foram laureadas com o Prémio Nobel da Literatura, tendo sido a escritora sueca Selma Lagerlöf, em 1909.

O único português a ganhar o Prémio Nobel da Literatura foi José Saramago, em 1998.

Por Catarina Duarte Alves

Licenciada em Línguas, Literaturas e Culturas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Catarina Alves é uma apaixonada por livros e, atualmente, trabalha como livreira numa cadeia nacional.